Conceito
Adelmir Santana
BrasĂ­lia atemorizada
14/08/2017
Brasília está assustada. O assassinato de Maria Vanessa Veiga Esteves, servidora do Ministério da Cultura, expõe uma das faces mais intimidadoras da violência: a sua banalização. A mineira que veio para a capital federal com medo da criminalidade morreu a poucos quilômetros do gabinete do presidente da República, em uma das quadras mais movimentadas da Asa Norte, com a maior quantidade de bares. Foi morta com uma facada nas costas, golpeada por um jovem de 15 anos que, conforme o relato, não se importou com os suplícios da vítima.

Cometeram um latrocínio. Para a sociedade, cometeram um crime hediondo. Hoje, ninguém está a salvo, em nenhum lugar. É isso que os criminosos deixaram claro, ao ridicularizarem as políticas de segurança. Perceba-se que, na mesma quadra, na noite anterior, um comerciante sofreu uma tentativa de assalto e fez o alerta para polícia, que não chegou a enviar uma viatura ao local. Mais espantoso ainda é que a mesma polícia já havia detido o autor do latrocínio em outros episódios. Isso denota a absoluta falência das estratégias de combate ao crime. Em um momento, falta repressão. Em outro, quando a repressão é bem-sucedida, os criminosos se livram por falhas da Justiça. Estamos enxugando gelo. Só que enquanto as autoridades assistem ao Brasil derreter, os comerciantes, a população em geral, está atrás das grades. Nas ruas estão os bandidos, que matam por matar, seja onde for. Infelizmente, Maria Vanessa não conseguiu fugir da violência quando veio para Brasília. Será que algum de nós conseguirá?
Comentários

Carregando notícias...
COPYRIGHT © - PORTAL ALÔ - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
ANUNCIE | FALE CONOSCO | COMERCIAL | EXPEDIENTE | TRABALHE CONOSCO