Fogo Cerrado
Walter Brito
Temer acuado luta para permanecer no poder
19/06/2017

Henrique Fontana

x


Nilton Capixaba



Temer acuado luta para permanecer no poder


As histórias do mundo político se repetem de forma muito forte em nosso país. Os palácios do Catete, do Planalto e do Jaburu são palcos de muitas vitórias, mas de tragédias marcantes. Relembramos nesta matéria o suicídio de Getúlio Vargas, a renúncia de Jânio Quadros e os impeachments de Fernando Collor de Mello e Dilma Rousseff. Tancredo Neves não chegou a subir a rampa e Temer resiste em descer. A mídia internacional já anuncia em suas manchetes que o nosso presidente perde sua força, inclusive diversos veículos de comunicação da Europa e EUA divulgaram, no último final de semana, notícias sobre o depoimento de Joesley Batista e fizeram referência à carta renúncia escrita por Temer em 18 de maio. Aconselhado por Moreira Franco, Temer voltou atrás e continua na resistência. Importante lembrar que Moreira Franco foi casado com a neta de Getúlio Vargas.

                O avô de Celina Vargas, ex-esposa de Moreira Franco, no dia 24 de agosto de 1954, faltando 15 minutos para às 9 da manhã, suicidou-se com um tiro no peito, e em sua carta testamento disse: “Deixo a vida para entrar na história”. Jânio Quadros, em 25 de agosto de 1961, deixou o poder e atribuiu sua renúncia a “forças ocultas”. Fernando Collor de Mello sofreu impeachment no dia 2 de outubro de 1992 e sua frase que ficou para a história foi: “O tempo é o senhor da razão”. Apeada do poder no dia 31 de agosto de 2016, Dilma Vana Rousseff disse: “É o segundo golpe de Estado que enfrento na vida”.

                O depoimento de Joesley Batista botou mais fogo na fogueira junina do Palácio do Jaburu. Ele confirmou tudo que disse em sua delação premiada e ainda acrescentou alguns ingredientes no âmbito do inquérito que apura os crimes de corrupção, obstrução à justiça e organização criminosa atribuída ao presidente Michel Temer. Entretanto, no depoimento de Eduardo Cunha na quarta-feira (14), ele disse que seu silêncio nunca esteve à venda, o que desmente Joesley Batista. Cunha reforça e disse que jamais fechou com Michel Temer qualquer tipo de negociação para se manter calado. O procurador geral da República, Rodrigo Janot, certamente entregará denúncia contra Temer ainda no mês de junho. Vale ressaltar que para a denúncia ser aceita no Supremo, precisa ser aprovada na Câmara dos Deputados, onde Temer ainda tem maioria. Ouvimos para a coluna Fogo Cerrado os deputados federais Nilton Capixaba (PTB) e Henrique Fontana (PT), que falaram sobre os últimos acontecimentos políticos do Fica Temer e Fora Temer.

                Entrevistado pela nossa reportagem, o deputado de Rondônia Nilton Capixaba apresentou seus argumentos justificando sua posição favorável ao governo Temer: “Estou com Michel Temer e não abro. Trocar um governo faltando pouco mais de um ano para a próxima eleição, eu entendo que não seria bom para o país. Acredito que Michel Temer é um homem de equilíbrio, tem conhecimento adquirido e o conheço bem. Ele tem plenas condições de fazer um bom governo e conduzir de forma equilibrada a transição, quando elegeremos um novo presidente. Vejo a população muito confusa neste momento e o discurso da oposição é demagogo, o que confunde ainda mais o nosso povo. O Temer à frente do Palácio do Planalto até o dia 31 de dezembro de 2018 tem tudo para estabilizar o país e, após isso, os fatos ficarão esclarecidos e a população saberá escolher melhor o novo presidente. A permanência de Temer hoje é necessária. Acredito ainda que a votação de 4 a 3 no TSE, que permitiu a continuidade do governo Temer, foi correta. O Gilmar Mendes não fez o jogo da mídia e nem da população. Ele obedeceu ao que está escrito na constituição. Aproveito a oportunidade para parabenizar o presidente do TSE Gilmar Mendes, bem como a justiça brasileira. A constituição tem que ser respeitada”, alertou Capixaba.

                Pedimos ao deputado gaúcho Henrique Fontana para comentar a afirmativa de seu colega de parlamento, o deputado Nilton Capixaba, sobre a permanência de Temer no governo e o resultado de 4 a 3 no TSE. O petista foi enfático e atacou: “A minha avaliação é que o julgamento do TSE foi completamente dominado pelo componente político. O ministro Gilmar Mendes tem atuação clara e francamente partidária, tanto no Supremo como no TSE. Na votação de 4 a 3 conduzida por ele, junto com o apoio de dois ministros nomeados por Temer e o ministro Napoleão, conseguiram maioria para manter o presidente em exercício no poder. Mas isto no meu ponto de vista não terá vida longa. A queda de Temer é uma questão de semanas, pois é um governo que está completamente deslegitimado. O atual presidente está desmoralizado eticamente e não tem condições de continuar governando o país nem por um dia, muito menos até o final de 2018, como quer o meu colega Nilton Capixaba”, arrematou.

                Sobre o caso Rocha Loures, o deputado Nilton Capixaba opinou: “Eu entendo que quem deve tem que pagar. Os fatos precisam ser apurados e após a apuração ficaremos sabendo se o Rocha Loures é o culpado. Qualquer pessoa pública, especialmente quando é escolhida pelo voto, a responsabilidade é muito grande. A pessoa tem atrás de tudo isso a população que acreditou e votou nela. O acusado tem o direito de se defender. Se Rocha Loures for culpado, ele terá que pagar por isso”, disse.

                Sobre o mesmo tema, o deputado do PT mirou a mala de Rocha Loures e atacou novamente: “Quero dizer ao meu colega Nilton Capixaba que aquela mala tinha R$ 500 mil em moeda sonante e não era dinheirinho do banco imobiliário, ou seja, era dinheiro com valor. Aquilo tudo era acompanhado de um conjunto probatório que mostra as redes de propina e tráfico de influência que estão em curso dentro do governo Temer. E mais, o conjunto probatório que sustenta o inquérito que responde o presidente Temer, aliás, eu faço aqui um parêntese: é o primeiro presidente da história do país a permanecer no poder respondendo a um inquérito, no qual é acusado por formação de quadrilha, obstrução da justiça e corrupção passiva. Breve teremos a denúncia final do procurador da República, Rodrigo Janot, que vai nos mostrar toda conexão daquela mala de dinheiro, além de outras ilegalidades de diversos atos de corrupção. O Rocha Loures era nada mais, nada menos, do que um dos assessores de confiança do presidente em exercício, Michel Temer”. Disse.

                Sobre as discutidas reformas, da previdência e trabalhista, o representante do PTB de Rondônia deu o seu parecer: “O governo do PT passou quase 14 anos governando e não fez nenhuma reforma, e a última reforma trabalhista feita em nosso país foi em 1950, quando não tínhamos computador e nem sonhávamos com a internet. O mundo mudou e temos que acompanhar a evolução dos tempos. Por isso temos que atualizar o país por meio das importantes reformas: trabalhista e previdenciária. Em 1950, a média de vida de cada um de nós era de 60 anos, hoje passa dos 80 anos. Portanto, as reformas precisam ser feitas, inclusive fazer os sonegadores de impostos pagar o que devem. O INSS é um exemplo em que milhares de empresários sonegam e não pagam. Sou a favor da valorização do servidor público e sou extremamente contra, por exemplo, aumentar a idade da mulher na aposentadoria. Isso é um absurdo! A posição do professor na questão da aposentadoria tem que ser feita com cuidado, além do que o professor tem que ser melhor renumerado e não ser prejudicado nas reformas. Precisamos garantir o presidente Michel Temer no governo e, o mais rápido possível, fazer as reformas com as devidas correções, pois elas são necessárias”. Afirmou Capixaba.

                Referente às reformas, o petista do Rio Grande do Sul rebateu: “As alterações propostas nas relações de trabalho e no sistema previdenciário do país são alterações injustas, pois fragilizam o polo que já é mais fraco na relação entre o capital e o trabalho daquele que procura emprego. A parte contratante, o empregador, impõe condições ao contratado, o trabalhador. A legislação trabalhista foi constituída ao longo da história como mecanismo de garantia da relação do maior equilíbrio dessas partes. A proposta da antirreforma trabalhista, que está tramitando no congresso, é uma proposta que desequilibra completamente esta relação. Ela precariza a condição de trabalho e diminui os salários, além de reduzir o número de empregos formais. Neste sentido, vai ampliar o volume de empregos precarizados e não gera emprego nenhum. Quanto à questão previdenciária, a proposta que está tramitando ataca duramente um conjunto de direitos constituídos das pessoas de baixa renda. Um exemplo claro trata-se da aposentadoria rural, ou seja, um agricultor ao completar 60 anos de idade. Em geral, o referido agricultor trabalha durante 45 anos e está sendo prejudicado pela proposta da reforma. Estamos falando aqui em cortar em temos de valor a aposentadoria de trabalhadores que hoje estão aguardando para se aposentar daqui a cinco, dez ou 20 anos. Esta antirreforma da previdência pega todo mundo e, se aprovada, a redução dos valores variam de 20 % a 50%. Além disso, afeta a redução da aposentadoria de quem está aguardando para se aposentar e ganha R$ 2 mil ou menos, por exemplo. Não estou falando de aposentadoria dos altos salários. Por isso eu entendo, que essas duas antirreformas não devem ser aprovadas em hipótese alguma. Estou trabalhando para que elas não sejam aprovadas”, argumentou Henrique Fontana.

                No final da entrevista, Nilton Capixaba resolveu questionar a liderança de Luiz Inácio Lula da Silva e atacou: “Lula é coisa do passado. Ele foi muito irresponsável com o Brasil. É um populista que usou mal o dinheiro público e deixou o Brasil sem rumo e sem nenhuma organização. Eu e a maioria do povo brasileiro entendemos que o PT e o ex-presidente Lula fazem parte de um passado muito ruim. Pretendemos eleger em 2018 um presidente responsável e comprometido com o nosso desenvolvimento. Eu nunca votei no PT e não admito sequer pensar na volta do Lula. Ele é culpado pela maior corrupção de nossa história, que se instalou em todos os órgãos da administração pública quando o PT assumiu o poder”, finalizou Capixaba.

                Sabedor das palavras de Capixaba contra Lula, o parlamentar do Rio Grande do Sul aumentou o tom de voz e contra-atacou: “A cara de pau dos políticos que tentam manter Michel Temer na Presidência é muito grande. Maior ainda é negar ao povo brasileiro o direito de recomeçar a democracia no país escolhendo quem queira para presidir a nação brasileira. Não há uma única prova constituída contra o ex-presidente Lula, que vem, aliás, sendo acusado politicamente tanto pelo juiz Sérgio Moro e por parlamentares, como o meu colega Nilton Capixaba. Diversas manchetes e jornais atacam Lula diariamente. Isso significa que a condenação midiática e política do ex-presidente Lula é uma tentativa permanente de setores que não aceitam o projeto que Lula e Dilma conduziram no país ao longo desses últimos anos. Agora, a questão do julgamento não deve ser um julgamento político, e eu tenho a convicção de que nas instâncias superiores ele será absolvido, pois não tenho nenhuma expectativa em relação ao juiz Sérgio Moro, que está se demostrando em relação ao Lula um Juiz totalmente parcial e sem condição de equilíbrio para julgar o ex-presidente. Sobre as eleições, nós temos que ter. O povo brasileiro tem que ter o direito de votar. Se o Lula ganhar as eleições é porque a maioria do povo quis. O deputado Nilton Capixaba não pode pensar que é o dono da verdade, e as eleições diretas são o grande remédio que o Brasil precisa para repactuar a democracia”. Concluiu Henrique Fontana.

                No início da matéria falamos sobre a repetição dos fatos no mundo da política brasileira. Recentemente em Brasília uma manifestação contra as reformas e com o objetivo de acelerar a derrubada de Michel Temer do poder foi às vias de fato e levou muita gente para os hospitais. Além disso, ocorreu a depredação dos ministérios e ameaças aos servidores públicos, o que culminou com a convocação das Forças Armadas pelo presidente da República. O depoimento de Joesley Batista, recheado com novos ingredientes, esquenta o mês de junho e as cabeças pensantes no Palácio do Planalto e também o Jaburu. Não sabemos onde a crise poderá chegar, mas a vontade da maioria do Congresso Nacional tende a fazer o que Gilmar Mendes fez no TSE: colocar panos quentes na denúncia que Janot levará ao Supremo contra Michel Temer. 

Comentários

Carregando notícias...
COPYRIGHT © - PORTAL ALÔ - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
ANUNCIE | FALE CONOSCO | COMERCIAL | EXPEDIENTE | TRABALHE CONOSCO