LBV
Paiva Netto
Salvemos nossas crianças
10/07/2017
Jesus, no Seu Evangelho, consoante Mateus, 24:15 e 16, alertou: ‚ÄúQuando, pois, virdes a abomina√ß√£o da desola√ß√£o, de que falou o profeta Daniel, no lugar santo (quem l√™ entenda! ‚ÄĒ quilegit, intelligat), ent√£o, os que estiverem na Judeia fujam para os montes‚ÄĚ.

Que lugar mais santo no mundo pode existir além da intimidade das criaturas de Deus, o coração, o cérebro, a Alma das pessoas?

Atentemos para a covardia e crueldade contra nossas crian√ßas que, quando n√£o s√£o arrancadas do √ļtero materno, sofrem todo tipo de agress√£o f√≠sica e/ou psicol√≥gica por parte daqueles que deveriam proteg√™-las. Tudo isso nos leva a pensar que j√° vivemos a √©poca anunciada pelo Divino Mestre. Nunca como agora a abomina√ß√£o desoladora atacou tanto o ser humano. √Č palmar ‚Äúfugir para os montes‚ÄĚ, do pensamento e da compaix√£o, ou seja, para que do mais alto vigiemos melhor o ‚Äúlugar santo‚ÄĚ.

Num planeta que se arma at√© os dentes, mesmo parecendo que n√£o, tendo a deusa morte como grande inspiradora, os locais seguros v√£o se reduzindo em velocidade descomunal. Mas existe um o√°sis que se deve fortalecer, porque √© o abrigo das futuras gera√ß√Ķes: o cora√ß√£o dos pais, em especial, o das m√£es. √Č nesse acolhedor ambiente que os pequeninos moldar√£o os seus caracteres. Da√≠ ter√£o ou n√£o respeito ao semelhante, saber√£o ou n√£o discernir o certo do errado, portanto, construir√£o ou n√£o um mundo mais feliz.

O emblem√°tico epis√≥dio, h√° alguns anos, envolvendo pessoa aparentemente ‚Äúacima de qualquer suspeita‚ÄĚ, guardi√£ da lei, que, segundo a per√≠cia m√©dica, imp√īs maus-tratos √† filha adotiva, de apenas 2 anos, e tantos outros noticiados pela m√≠dia s√£o de estarrecer. Jogam por terra a ideia de que a viol√™ncia dom√©stica est√° somente ligada √† desarmonia familiar, √†s dificuldades financeiras, a problemas com drogas, a exemplo do √°lcool. Fica patente o grave desequil√≠brio emocional presente nas esferas das rela√ß√Ķes humanas. Urge, pois, por significativa parcela da Humanidade, acurado exame de consci√™ncia.

Por que permitimos que a situa√ß√£o chegue a esse ponto? Valores como fam√≠lia, dignidade, f√© e Espiritualidade precisam sobrepor-se √† cultura do consumismo desenfreado, √† frieza de sentimentos, √† falta de caridade e √† gan√Ęncia desmedida.

  Reflex√Ķes da Alma

N√£o somos palmat√≥ria do mundo, mas gostar√≠amos de colaborar na busca de respostas a essas inquietantes indaga√ß√Ķes. No meu livro Reflex√Ķes da Alma (2003), pondero:

O mundo fatiga-se com demasia de palavras e pobreza de a√ß√Ķes eficazes, atos que de forma efetiva sirvam de modelo para a concretiza√ß√£o de um esp√≠rito de conc√≥rdia, de Boa Vontade, que verdadeiramente transforme o indiv√≠duo de dentro para fora, coisa que n√£o se consegue por decreto. √Č evidente que esse trabalho espiritual e humano de ilumina√ß√£o das criaturas deve ser acompanhado por acertadas medidas pol√≠ticas, econ√īmicas e sociais; Instru√ß√£o; Educa√ß√£o; e a indispens√°vel Espiritualidade Ecum√™nica. Isto √©, uma perfeita sintonia com as Dimens√Ķes Superiores da Humanidade Celeste, at√© agora invis√≠veis aos nossos olhos materiais.

O est√°gio de fragilidade moral do mundo √© t√£o avan√ßado, apesar dos progressos atingidos, que, para acabar com a viol√™ncia, s√≥ existe uma medicina forte: a da escalada da Fraternidade Solid√°ria, aliada √† Justi√ßa, na Educa√ß√£o. Por isso, ecumenicamente espiritualizar o ensino √© um poderoso ant√≠doto contra a agressividade. Por falar na ‚ÄúSenhora de Olhos Vendados‚ÄĚ, aqui um ilustrativo pensamento do ensa√≠sta franc√™s Luc de Clapiers, Marqu√™s de Vauvenargues (1715-1747): ‚ÄúN√£o pode ser justo quem n√£o √© humano‚ÄĚ. Por conseguinte, tamb√©m n√£o √© poss√≠vel ser feliz.

  Jesus e as m√£es

A professora Adriane Schirmer, de S√£o Paulo/SP, enviou-me e-mail no qual destaca meu artigo ‚ÄúJesus e as M√£es‚ÄĚ: ‚ÄúO que dizer de t√£o comovida prece? Numa sociedade em que o Dia das M√£es √© direcionado √†s vendas, o senhor n√£o se esquece nem daquelas que j√° est√£o no mundo espiritual, zelando, com certeza, pelos que aqui ficaram‚ÄĚ.

Grato, professora Adriane. A maternidade é um sol que não se apaga.

Comentários

Carregando notícias...
COPYRIGHT © - PORTAL ALÔ - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
ANUNCIE | FALE CONOSCO | COMERCIAL | EXPEDIENTE | TRABALHE CONOSCO